Imagem

A proposta do seminário é reunir historiadores dos quatro países para debater e trocar experiências de pesquisa sobre as respectivas ditaduras militares, que foram erigidas em meio aos embates políticos dos anos 1960-1970. Espera-se estimular reflexões que venham a explorar enfoques comparativos capazes de revelar as diferenças e semelhanças entre cada contexto histórico, para além de conceitos generalizantes como “estados burocrático-autoritários” e “ditaduras de segurança nacional”. Além disso, a intenção é privilegiar a abordagem de aspectos e ângulos até agora pouco explorados pelos pesquisadores. Nos estudos sobre as ditaduras recentes têm prevalecido duas abordagens historiográficas. De um lado, a temática da repressão política, com investigações sobre violência, tortura, desaparecimentos e sistemas de informação e segurança; de outro, pesquisas sobre a atuação dos grupos de esquerda armada. Tais enfoques são fundamentais, não há dúvida, e não só por razões acadêmicas, como também políticas e judiciais. Entretanto, a repressão não explica toda a História das ditaduras, tampouco é suficiente para entender porque os líderes militares conseguiram ficar no poder por tanto tempo. Essa permanência no poder deveu-se, em parte, ao apoio conquistado entre certos grupos sociais, por meio de linhas de ação que, transcendendo a dimensão repressiva inerente a tais Estados, envolveram políticas capazes de angariar alguma aceitação social. A luta armada, por sua vez, é somente uma das facetas da resistência aos regimes ditatoriais, não podendo ser considerada a forma majoritária. Embora seja um elemento fundamental para compreender os conflitos naqueles contextos, também não é suficiente para explicar a densidade e a diversidade da “resistência social” às ditaduras e dos embates de projetos político-sociais existentes nas sociedades latino-americanas de então. Assim, ao organizar a programação do Seminário, convidamos pesquisadores capazes de discutir novos aspectos das políticas dos regimes autoritários, que ajudem a compreender as razões do apoio social por eles conquistado, bem como a lançar novas abordagens sobre a temática da resistência. Além disso, incluímos apresentações sobre temas igualmente importantes, como as batalhas da Memória e a atuação das lideranças e instituições militares. Com isso, a expectativa é tanto promover a divulgação de trabalhos produzidos em período recente, quanto estimular a realização de novas investigações, que explorem aspectos da história do período ainda pouco visitados pela pesquisa acadêmica ou lancem novos olhares sobre temas já clássicos do debate acadêmico sobre a História dos regimes autoritários. O Seminário ora proposto tem por objetivo geral refletir e debater sobre o fenômeno ditatorial no Brasil e na América Latina, com ênfase nos casos argentino, chileno e uruguaio, a partir do olhar de historiadores de cada um dos países citados. Além disso, tem-se também por objetivos: • Identificar e analisar os possíveis pontos de contato e de afastamento entre os principais regimes ditatoriais latino-americanos, vigentes no Brasil, na Argentina, no Chile e no Uruguai entre os anos 60 e 80. • Refletir sobre a produção historiográfica atual de cada um destes países sobre seus respectivos regimes ditatoriais, bem como sobre suas relações internacionais mútuas. • Estreitar laços e contatos acadêmicos entre pesquisadores de diferentes Programas de Pós-Graduação em História, do Brasil e exterior, com vistas a futuras parcerias e programas de colaboração. • Difundir o conhecimento acadêmico produzido sobre os temas contemplados no Seminário entre estudantes de graduação e pós-graduação, com o propósito de estimular novas pesquisas no futuro próximo.

Serão oferecidas 200 vagas ao público interessado. Os participantes que apresentarem frequência de pelo menos 75% receberão certificado.

• Prof Dr Rodrigo Patto Sá Motta (Presidente) • Profa Dra Miriam Hermeto • Ana Marília Menezes (Discente) • Gabriel Amato (Discente)

                                – Entre os dias 27 e 29 de novembro de 2012 -

LOCAL DE REALIZAÇÃO DO EVENTO:

FAFICH (Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas) – Campus Pampulha UFMG

Observe, nos mapas, a localização da FAFICH e os trajetos para se chegar até o local, a partir de cada uma das três entradas do Campus da UFMG:

FAFICH,  a partir da entrada da Av. Antonio CarlosFAFICH, a partir da entrada da Av. CatalãoFAFICH, a partir da entrada da Av. Abrão Caram

SUGESTÕES DE HOSPEDAGEM EM BELO HORIZONTE:

POUSADA SOSSEGO DA PAMPULHA [PRÓXIMO AO LOCAL DO EVENTO]
Av. Cel. José Dias Bicalho, 1258 – Pampulha
Tel. 3491-8020 – Fax. 3427-0990
PAMPULHA FLAT [PRÓXIMO AO LOCAL DO EVENTO]
Rua Alameda das Latânias, 1207 – Pampulha
Tel. 3491-8080
HOTEL PORTINARI [PRÓXIMO AO LOCAL DO EVENTO]
Rua Henrique Cabral, 430 – Aeroporto – Pampulha
Tel. 3270-0120
HOTEL FINANCIAL
Av. Afonso Pena, 571 – Centro
Tel. 3270-4000 – Fax. 3270-4070
HOTEL PAMPULHA PALACE
Rua Tupis, 646 – centro – Belo Horizonte
Tel. 3270-0120
IBIS BELO HORIZONTE LIBERDADE
Av. João Pinheiro, 602 – Lourdes
Tel. 3224-9494 – Fax. 3224-5770
OURO MINAS PALACE HOTEL
Av. Cristiano Machado, 4001 – Ipiranga
Tel. 3429-4001 – 3429-4000 – Fax. 3429-4002
Toll Free: 0800-314000
OTHON PALACE
Av. Afonso Pena, 1050 – Centro
Tel. 2126-0000 – Fax. 2126-0061
Toll-free: 0800-7250505
ALBERGUE DA JUVENTUDE CHALÉ MINEIRO
Rua Santa Luzia, 288 – Santa Efigênia
Tel. 3467-1576 – Fax. 3463-1576
Horário de Funcionamento: Diariamente das 7h às 22h
POUSADA NOSSA CASA
Rua Pium-í, 421 – Anchieta
Tel. 3287-7768 – Fax. 3287-7768